José Rodrigo Rodriguez

Archive for the ‘Poemas para…’ Category

Circular

In Poemas para... on 07/04/2012 at 14:00

Luz demais
e a metade que faltava,
pátio
clareira
remanso
redemoinho.

Pétalas largas de insetos,
enxames no verão
de sempre,
fonte precisa sem charcos:
o poço
lacrado.

Nem um segundo de Sol,
lágrimas secas,
mal despontando na boca
amara língua.

Anúncios

Te amo, desse jeito tosco (um poema para Josquin Desprez)

In Poemas para... on 13/01/2011 at 17:11

Josquin Desprez, mas nem te conto
por sua causa arrumei uma mina!
Os seus motetes pelo jeito
não servem só para a missa latina.

Nem a fim de azarar eu estava
senão tinha ido mesmo é de roque
meus amigos tomando vinho
não apreciaram o meu enfoque.

Suas obras infelizmente
viraram matéria de especialista
numa conversa relaxada
quem fala complexo ganha é pista.

Mas falei assim normalmente
como falaria do Lulu Santos
e a rodinha foi desfazendo
saindo marmanjo por todo canto.

Só essa mina ali me ouvindo
interessada na polifonia
contra-reforma musical
nem reparei na anatomia.

Semelhanças com o atonal
medieval como contemporâneo
papo cabeça vai e vem
nosso caso de amor quase instantâneo.

Obrigado Desprez – Figura! –
a consideração para conosco
como eu disse para a Manuela,
também te amo, desse jeito tosco.

Um poema para Roberto Carlos

In Poemas para... on 12/01/2011 at 16:44

Para Paula Vermeersch

Nunca tive vergonha de andar com você
mesmo estando nas rodas de alta cultura
sobre vinhos conselhos, charutos, comida
quem falava de amor, quem falava da vida?

Nunca tive vergonha de amar com você
seu calor faz subir nossa temperatura
a paixão no instante em que o corpo convida
quem falava de amor, quem falava da vida?

Muitos podem dizer que são mais eruditos
em poemas complexos e prosas escuras
entre tantas maneiras de ser e dizer
Rei Roberto é sua esta rima mais pura.

Muitos podem saber bem melhor que você
flutuar sobre cumes de idéias maduras
mas às vezes a vida é mesmo um clichê
ilusão infantil, impulsão sem altura.

Meu amor, eu só quero ficar com você
sem andar tão perdido em selva obscura
quando se chega assim bem no meio da vida
solitário, sem sol, sem paixão, sem saída.

Um poema explícito (com explicação prévia) para Bocage

In Poemas para... on 01/01/2011 at 4:10

Leitor, este vai ser um poema com explicação: trata-se de um exercício a la Bocage, autor dos poemas pornográficos mais explícitos e geniais da literatura em língua portuguesa.

Se você achar a idéia de um poema pornográfico uma coisa ofensiva e nojenta ou tiver menos de 18 anos, por favor não leia. Pare aqui mesmo. Eu já peço desculpas desde logo.

Mas como este blogue foi concebido para ser meu bloco de notas e expor minha produção poética em estado bruto, segue o poema logo abaixo, em homenagem a ele mesmo, Bocage.

Espero que os meus poucos leitores gostem e se divirtam. Provocar o riso foi o motivo central para escrever este poema.

O pau inglês

Pinto de ponta rombuda
cutuca no cu maneiro
nem entra nem sai
carola no puteiro.

Punheta reta no grelo
de cabecinha molhada
abre a porta e fecha leve
sem forçar sua entrada.

Gentleman do caralho
essa piroca vermelha:
fode com todo cuidado
não arromba sua grelha.

Um cavalheiro perfeito
esse mastro enlouquecido
mas basta ter sinal verde
pra socar até o ouvido.

Metido dentro do rego
alarga seu cu suado
faz um túnel na rabuda
onde um trem entra empinado.

Enfiado até o bestunto
enche de porra a cachola
engravidando neurônios
espremendo suas bolas.

Realmente um cavalheiro
esse pau tão educado
que só rasga cu querido
que só mete se chamado.

Um poema para os candidatos a Presidente do Brasil: “A fórmula mágica”

In Poemas para... on 19/09/2010 at 19:51

Como é que alguém se vende
por cinco ou dez ou trinta por cento
de um ou dez ou cem milhões?
Mas tanto faz, os fins justificam
os meios e ninguém enriqueceu
ou todo mundo ao mesmo tempo.

Há lugar para a ética, algum princípio
que envolva evitar receber dinheiro
sem trabalho e sem fundamento?
Mas pensando bem, é preciso ganhar
a eleição para evitar que os verdadeiros
ladrões tomem o poder: somos os melhores.

Eu me sinto muito ingênuo quando
leio notícias com nomes de amigos
e converso com todos aqueles que criticam
o sistema brasileiro de financiamento
de campanhas: todos sabem o que fazer,
mas não podem deixar de jogar o jogo.

Jogar o jogo, até que as regras mudem,
até lá, um pouquinho para mim, outro
para o caixa dois, vistas grossas daqui
e de lá, até as vésperas da eleição,
denuncismo e indignação ética, contas
no exterior e pagamentos indiretos.

A ética está em não exagerar, em não
tomar para si mais do que é razoável
ou mesmo nada, afinal jogar o jogo é
evitar que os verdadeiros ladrões
assaltem o país: não se deve enriquecer
individualmente, nós somos os melhores.

Em última análise, tudo é feito para o
povo, é assim se evita que os verdadeiros
ladrões cheguem ao poder, tudo para
o povo, jogar o jogo sujo para o povo:
a ética está justamente aí, comedimento
e clareza dos objetivos políticos de base.

Em me sinto muito ingênuo quando
penso “E se ninguém jogasse o jogo?”,
como uma criança, penso: “E se ninguém
pensasse mais assim?”, um menino idiota:
“E se pudesse ser diferente?”, um verdadeiro
imbecil: “Não se meta nunca nisso…”.

Quem se vende e faz o trabalho sujo,
tem a gratidão eterna daqueles que
podem se dar ao luxo de dizer que
não sabiam de nada. Aqueles que
fazem o que precisa ser feito para
evitar que os verdadeiros ladrões

tomem o poder: nossos heróis,
cuja história precisa ser contada
e é preciso ajudá-los a não ter mais
que jogar o jogo. O que fazer para criar
novas regras, sem moralismo, eu
gostaria de saber qual pode ser

esta fórmula mágica.

Eu te amo, ar condicionado

In Poemas para... on 23/02/2010 at 18:31

Tudo estava pelando, tudo indo tão mal,
minha sala parecia ficar no Senegal,
tudo grudando e melado, a cabeça pára,
minha sala parecia ficar no Saara.

Mas aquele bafão danado
você veio e refrescou,
e o calor desesperado,
você veio e acabou.

Adeus pizza no sovaco,
bigodinho de suor,
adeus costas ensopadas,
adeus poça no lençol.

Sem você até a cueca molha,
sem você tudo cheira mal,
sem você minha vista se embaralha,
sem você eu mergulho no lençol.

Sem você, suo até pra coçar a orelha,
sem você, minha privada é piscina,
sem você, fico cheio de brotoeja,
sem você eu não quero abraçar as mina.

Agora aqui urso polar anda até de capote,
vou vestir o esqui na neve para ir te dar um picote,
agora aqui na gaveta guardo gelo e picolé,
tomo chocolate quente no lugar do meu café.

Tudo estava difícil, ia tudo tão mal,
minha sala parecia ficar no Senegal,
tudo meio sujinho, tudo meio melecado,
até eu ligar, no talo, o meu ar-condicionado!

Poema Sujo, Ferreira Gullar

In Poemas para... on 15/01/2010 at 13:01

http://www.revista.agulha.nom.br/gula1.html#sujo

Kid Bengala, o líder sindical

In Poemas para... on 04/10/2009 at 21:01

Kid Bengala

Kid Bengala acordou com seu mastro inchado,
pois na noite anterior muito tinha trabalhado,
passou hipoglós na benga e se sentiu aliviado,
mas não pense você que comeu algum viado.

Todo o dia Kid fode até ficar cansado,
fode em pé, fode andando, fode até sentado
fode loira e morena, fode até desesperado,
só não peça para o Kid foder algum viado.

Kid é ator famoso, não trabalha por trocado
seu cachê sempre paga o IPTU atrasado,
Kid Bengala não é, enfim, nenhum coitado,
não precisa mais tomar o ônibus lotado.

Mas a bengala do Kid tem um prazo limitado,
tanta punheta e boceta deixam o pau esfolado,
quanto tempo vai durar esse cacete alado?
Talvez Kid precise ser sindicalizado.

Para cada bocetinha um contrato celebrado,
cada cú e cada boca um bônus bem calculado,
sua aposentadoria, saúde bem ajustados,
e uma cláusula excludente de bundinha de viado.

Kid Bengala não merece ser assim explorado,
todo ator e toda atriz sempre sindicalizado,
ter o seu pau, a boceta e o seu cú segurados,
pra quando a carne acabar, não ficar desesperado.

Poema aberto para a candidata Marina Silva

In Poemas para... on 19/08/2009 at 18:24

Basta ser gente que veve

José Rodrigo Rodriguez

Marina Silva

A presidente Marina 
protegerá as plantinhas
que tanto bem sempre fazem
a nossa amada Terrinha,
mas também vai defender
Darwin seja equiparado
ao criacionismo ensinado.

Terra criada por Deus
num design inteligente,
ciência e fé irmanadas
numa equação coerente
Marina Silva e sua fé
moverá rios e montanhas
somando várias façanhas.

Do aborto irá combater
discriminalização
atrás das grades quer ver
as mulheres da nação
que praticarem o crime
de escolher certas vias
que Deus veda à moças pias.

BurningCross

Para votar na carola
Ministra do meio-ambiente
desejo ser informado
e dito para toda gente
se o Deus da pia Marina
contrário a Darwin e o aborto
é crido por todo povo.

É o Deus dos magnatas
É o Deus dos macumbeiros
É o Deus dos corinthianos
E o Deus dos curandeiros
Deus de índios, fashionistas
Deus de pobres e cristãos
Judeus de toda nação.

Deus de rockers pagodeiros
De japoneses crioulos
Deus de Juízes e réus
De carcamanos e mouros
Deus de peruas montadas
De gays e machos renhidos
Sem vergonha e sem prurido.

pro choice

Se o tal Deus não for assim
acolhedor e inclusivo
desculpe a Ministra pia
se a ofende o que digo
deixe o seu Deus bem de fora
de campanha ou discussão
sobre os rumos da nação.

Deixe quietinho na igreja
este Deus meio esquisito
excludente e assustador
e levemente maldito
que não acolhe essa gente
esse povo misturado
do catinga e do roçado.

Deixe quietinho na igreja
este Deus meio gozado
que aceita uns, mas não outros
e que fica aperreado
com gente tão diferente
não gosta de discordância
não prima por tolerância.

darwin_evolucao_2

Se Marina vier mesmo
a governar o Brasil
espero que se aperceba
que neste céu azul anil
qualquer carola é bem vindo
também ateu ou herege
basta ser gente que veve.

Poema para as mulheres fruta

In Poemas para... on 04/08/2009 at 17:23

Queremos a Mulher-Banana!

de  José Rodrigo Rodriguez

Melancia, pêra e melão,
em tempos de liberação
queremos a mulher banana!

E viva a Chiquita Bacana!
Vestida todinha com a casca,
hoje em dia isso já não basta.

Mais vivas à Carmem Miranda!
Com seu chapéu meio de banda,
hoje em dia isso não comanda.

Queremos a Mulher-Banana,
com tanguinha bem apertada
para a alegria da moçada!

Mulher-Bananada pelada
em cadeia trans-nacional,
para o universo pan-sexual!

Mulher-Banana, a maioral,
com seu cacho … onde é que eu me encaixo?
Alegre em cima e tromba embaixo!

banana2cg