José Rodrigo Rodriguez

Archive for junho \18\UTC 2012|Monthly archive page

Íon

In Poemas para mim mesmo on 18/06/2012 at 4:15

Prefiro ouvir em voz alta
a carta com a qual você respondeu
da minha calma para a sua culpa
uma pergunta que ninguém havia feito
ainda, uma pergunta que se poderia adiar
por alguns anos, mas você sempre antes,
mas você sempre alerta, mas você sempre
esperta, foi preciso dizer agora e com
a sua voz baixa de quando a luz se acaba,
enquanto se procuram as velas, enquanto
se tateia entre as cortinas e os móveis,
como se alguma coisa pudesse ser morta
ou perdida no processo, como se uma lâmpada
ou uma geladeira ou a televisão e as caixas
de som fossem mesmo despertar e explodir
quando a energia voltar, bem quando se puder
ouvir de novo tudo o que a cidade faz e tudo
o que nela trafega, quando se puder sentir e
colher e anotar como as páginas registram
as notas e as palavras, como as duas também
se escrevem, talvez agora, quando os dentes
se movem sobre a língua seca, talvez alguma
coisa ainda faça você simplesmente calar
e o que eu prefiro ou o que eu não prefiro
seja esquecido imediatamente
e com alívio.

As vozes mentem,
a música, o metro,
o poema,
as vozes cem vezes
mentem.

Mas livrai-nos do mal,
livrai-nos de todo o mal,
pois quem ouviu
talvez seja quem possa:
ao ver a luz tudo se cala
enquanto a calma ecoa na face
por dentro e por fora.

Letter to Franz Neumann (1)

In Direito e Teoria Critica on 15/06/2012 at 14:50

São Paulo, June 04, 2012.

Dear Franz Neumann,

I have recently translated an excerpt of a letter you wrote to your friend Helge Pross in 1954. By the way, the year of your death. I found it cited in the small book that Alfons Söllner wrote about you, published in 1982. The book was a gift from my PhD supervisor, Marcos Nobre, a souvenir from a study trip he made toFrankfurtin 2001, if I remember correctly, by which time I began to read your texts on a regular basis.

“Why do I love this country so much and yet also despise it? Perhaps it is a deep-seated guilt feeling. How often after 1933 have I pondered the question of what my responsibility for National Socialism really was? For I believe in collective guilt. But then I cannot exclude myself from it … We who opposed the reaction, we were all cowards. We all made commitments. I saw with my own eyes how the Social Democratic Party was a liar from July 1932 to May 1933 (not just after that) and I said nothing. Union leaders were so coward bosses — and I continued to serve them. The intellectuals were so liars — and I remained silent. By all means, I can rationally justify my attitude along with the United Front against National Socialism, but ultimately the fear of isolation played a part … Therefore, I also played a part in the sell-out of the ideas of the so-called German left wing. My contribution is certainly small and the politicians would view my position with irony. But one can view the decline of the Social Democratic Party and the rise of National Socialism as a mere political problem? Weren’t there any moral decisions to be made? I made them too late, yet I had not been radical enough.” Letter of Franz L. Neumann to Helge Pross, 1954.

Reading this letter has always touched me. The moral judgment you make of yourself sounds too hard for someone like me, who has read almost everything you wrote against the regime of Adolf Hitler and against some of his leading supporters, such as Carl Schmitt. And someone that knows you were Jewish. I am deeply sorry that you died so distressed and upset by your supposed lack of radicalism. But I do understand what a democrat and socialist jurist like you may have felt amidst the Nazi barbarism that followed Hitler’s rise to power. The cowardice of the left wind, trade unionists and intellectuals, who, in your letter, knew exactly what would happen toGermanyfrom then on, was also your cowardice, at least from your point of view. After all, you stood beside them, which caused your deportation as early as in 1933, that is, the time of a career, a life, a lifetime.

Perhaps this is the problem of political men like you who act on behalf of their associations and groups for fear of isolation, fear of failing to conduct politics the right way, as you suggest in your letter. It is easy to see that you’ve never been an exclusively theoretical thinker who spent your time walking through the woods of Berlin, reflecting on the Being to give meaning to the world and humanity. Your life, by the end of your days, was filled with constant clashes in the intellectual, political and bureaucratic field, either as a member of the socialist youth, a labor lawyer, university professor, member of the Institute for Social Research, U.S. official (at the office of strategic affairs, serving the committee of information on Germany) or during the Nuremberg Tribunal.

No wonder that someone with your profile, especially in a time of crisis, highly unstable and uncertain as in the fall of the Weimar Republic, stayed in line with your leaders who — and this is the problem —, ultimately made fatal mistakes for the history of humanity. In your writings, you were not like this, and this is crystal clear. Your position is anything but condescending. But even with regard to the political choices that you made in that context, taking into account the situation that you have lived, I am sure, especially considering your lone voice in the broader political debate, nothing you could have done would be too radical and nothing you could have said would be radical enough. I believe that anyone would hardly feel self-pleased in that situation. The main distress at that moment, I imagine, was to be a German citizen and be part of the European civilization.

Anyway, I cannot engage in any discussions of the judgment that you made about yourself. And that’s what it is, your deepest consciousness casting a severe judgment on yourself. Apparently, you did not die in peace, aged 54, in that unfortunate car accident in Switzerland. But did any of your companions have better luck? Could they forgive themselves for what they did or failed to do? What will my luck be before a world in crisis and without clear prospects for emancipation? What are the right choices to make?

Anyway, what I have left is the attempt to understand what should have been your state of mind in that year of 1954, considering everything you wrote and in view of your conceptual constructions and research assumptions. Making this move is very important to me. It is important for me to feel able to think of my position as a jurist and socialist theoretician in my country, Brazil, as late as in the 21st century, amidst an outbreak of optimism and development, marked by a promise of economic and political leadership on the rest of the world. Many of your ideas seem extremely useful to reflect on the current times and on the problems we have been facing. Since I gained acquaintance with your work, I have sought to drawn on your ideas to write my books and articles.

Yet, if the problems I have before me have little resemblance to the National Socialist regime, the subject of almost all your writings, the historical distance of 50 years between your death and my book on your work — “Fuga do Direito”, 2009 — has contributed to dulling the vision of the left wing over the world today and over the period you lived. After all, we live in a time when leftist theorists as relevant as Giorgio Agamben compare the pictures on identity cards to the period of the National Socialist regime; for the dismay of unsuspecting readers. Surprisingly enough, we live in a time in which Carl Schmitt is seen as a useful and necessary author to reflect on the left-wing politics.

Faced with such positions — on which I intend to write letters in future —, which are quite away from your effort to reconstruct in detail the economic policy, the legal framework and the bureaucratic structures of the German “rule of non-law” — which you named Behemoth — it is tough to read your writings and ponder the world today without the risk of saying arrant nonsense. Your concepts and assumptions cannot be thought in isolation of the vast empirical material that you reviewed in your articles and books; your ideas cannot be thought over using abstract formulas worked out separately from social reality.

To refresh your ideas and reflect concernedly on today’s world, it is necessary to put together empirical materials similar to the ones you organized to test your assumptions with all the rigor and all due respect to your work. I tried this on my Ph.D. in order to discuss solely your criticism of the pessimistic assessment of the materialization of law made by Max Weber. I hope I have been successful in this attempt, while leaving aside the current trend of recurring to classic authors as if they were a box of quotations and, in your case, detached from the impressive empirical material you put together with a great deal of effort.

Without a doubt, one can say in favor of Agamben that after reading Minima Moralia, by Adorno, which unfortunately you have not had the opportunity to read, it is hard not to get paranoid before the most despicable manifestation of state power or instrumental action purely and simply, in any form. Adorno undertook such a close, detailed and thorough analysis of the degradation of human experience by virtue of the advancement of instrumental action on social life, that after painfully going through its intense pages, even a single photo on an ID card becomes daunting and threatening.

Faced with this uncomfortable feeling and the National Socialist history, which haunts us all, it seems better to be overly critical than not being critical at all. Those who venture to read Minima Moralia and Dialectics of Enlightenment (by Adorno and Max Horkheimer) will eventually find a Nazi behind every tree and an act of oppression in any attempt to organize social life. This has been my position in the past, until I came across your writings on law.

The problem with this way of viewing the world, understandable from an emotional point of view and in the context of the post-war, is the loss of critical judgment about the characteristics and limits of instrumental action, together with the loss of interest on the institutions of the rule of law. When Adorno wrote what he wrote, the atmosphere of pessimism haunted the intellectuals and the entireEurope; disbelief in politics and law was outright. After all, the bodies incinerated by the Third Reich were still warm and out of their graves. Amidst such a terror, it sounds natural that the vision of reason in general be filled with an Expressionist flavor. It seems reasonable that Adorno skew the figures of reason for critical purposes, i.e., in order to show the hints of inhumanity and violence in them; to show the extent to which the most innocent actions could lead us.

Yet, worthy of note is that Adorno did not speak of his subjects abstractly, detached from empirical reality. His writings were born of years of empirical research carried on by the Institute for Social Research, some of which were coordinated by himself both in Germany and in the United States of America. Nevertheless, his critique of instrumental reason, developed in close collaboration with Max Horkheimer, cannot derive the paradoxical result of despising forever any reasoning drawn in terms of means and ends. After all, human action must also work this way; societies need the instrumental action to coordinate actions.

For example, it seems unnecessary to say that we must organize a system for collecting and distributing water, food and energy to meet the diverse needs of different social actors. It is necessary to interact with other human beings to be able to accomplish several common objectives. How to perform these tasks without thinking about means and ends? How to deal with these needs without using the instrumental action?

Therefore, the subject of criticism cannot be instrumental rationality in itself. The task of Critical Theory – I guess you would agree with me — is to reflect on characteristics, roles and limits, conceived in each context and in each historical time. This way of seeing things for me was very clear in your analyses of the state and law and this very attitude began to fascinate me as I went further in the reading of your writings.

As your letter presents, your capacity to reflect coolly on the contradictions of law against almost all left-wing thoughts of that time (except for Karl Renner) is both amazing and tragic, even in 1936, the year when you finished writing the Law’s Empire and during the rise and peak of the National Socialism, when you publish Behemoth, 1942. Your criticism of bourgeois law has never overlooked its internal contradictions, has never failed to connect legal structures and social conflicts; has never surrendered to a simplistic and unilateral vision of formal institutions.

You have always kept clear the objective of considering the possibilities of emancipation in every historical moment, without reducing to a single line your analysis of your time and sparing no effort to put forward your ideas with one of the toughest empirical materials. Therefore, my dear Neumann, you never turned any author into a manual or bible, expressing trenchant criticisms of Karl Marx, Max Weber, Hans Kelsen and Carl Schmitt, among others. I hope to have opportunity to address these issues in other letters, but what I would really like to say, for your patience with me has been too much for today, is that one of my main goals in the beginning of my intellectual life is to emulate closely your attitude. I want to be able, like you, to keep cool head and clarity of thoughts (as much as possible) before the contradictory and complex reality of liberal law.

My papers and books have explored the contradictions of my institutional reality, even when I find myself taking an unorthodox and minority point of view of the left wing of my country. My attempt has been to avoid the error of radical extremes. Besides this, I wish to be luckier than you were in evaluating the politics of my time, especially if I have to face such an extreme and dramatic situation you lived. In this case, I do not intend to follow Agamben, running the risk of accusing all those clerks responsible for printing ID cards of being accomplices of oppression.

On the other hand, I do not intend to condone, not even in thoughts or for tactical reasons, any left-wing forces attempting to go over democracy and the rule of law on behalf of their projects, as good as they may seem. Because you taught us the result of this move, as well as the recent history of the West. We are aware of the outcome of the creation of a power without the control of law in a complex society like ours.

Marx was not aware of it; he did not know anything like National Socialism: your writings, my dear Neumann, make us realize, from the very beginning, the difficulties of thinking of a “dictatorship of the proletariat”. Because of that, I take upon myself the task of pondering law from Marx, but beyond his thoughts, without letting the socialist tradition subdue or subjugate me.

I take this opportunity, for now, to thank you for the many years of critical reflection on law that your writings have given me. In addition, I congratulate your unusual, cold and reflective way of being a socialist, unwilling to giving up the law and the protection it provides, yet a way so innovative and insubordinate to the thought of your time. About your love for the law (and about my love), there is much else to say. And there will always be.

From your worst student, through the ages.

As they say inBrazil,

a warm hug from

José Rodrigo Rodriguez

Sou prisioneiro de um nome

In Poemas para mim mesmo on 11/06/2012 at 12:30

Sou prisioneiro de um nome
mas isso todo mundo sabe.

E se você algum dia
vier mesmo a gostar de mim
não seja cúmplice desta margem
cujo tempo me carrega.

Um nome lábil
extrai-se da parte fixa
de quem fala
de quem risca
este contorno

que a mão revisa.

Sou prisioneiro de um tom,
mas ao menos não me diga
se um dia gostar de mim
sem cara de nojo
ou sono.

Aquele que me batiza
na água benta correndo
para tudo tempo
certo.

Carta a Franz Neumann (1)/ Sobre direito e socialismo

In Direito e Teoria Critica on 04/06/2012 at 18:58

São Paulo 04 de Junho de 2012.

Meu caro Franz Neumann,

Traduzi recentemente um trecho de uma carta que você escreveu para sua amiga Helge Pross no ano de 1954; a propósito, ano de sua morte. Encontrei-a citada no pequeno livro que Alfons Söllner fez sobre você, publicado em 1982. O livro foi presente de meu orientador no Doutorado, Marcos Nobre, lembrança de uma viagem de estudos que ele fez a Frankfurt, se não me engano, em 2001, época em que eu comecei a ler sistematicamente seus textos.

“Porque amo tanto e então odeio tanto a minha terra? Talvez isto se deva a um sentimento de culpa muito profundo. Quantas vezes eu tenho posto a questão: a partir de 1933, onde está minha responsabilidade pelo Nacional-socialismo? Acredito em culpa coletiva, mas não posso excluir a mim mesmo disto tudo… Nós, os que se opunham à reação, fomos todos muito covardes. Todos nós fizemos compromissos. Eu vi com meus próprios olhos como o SPD foi mentiroso de julho de 1932 a maio 1933 (e não apenas depois) e eu não disse nada. Como os dirigentes sindicais foram covardes e eu continuei a servi-los. Como os intelectuais foram mentirosos e eu não falava nada. Naturalmente eu posso justificar minha atitude racionalmente junto com a Frente Unida Contra o Nacional-socialismo, mas no fundo havia também medo do isolamento… Desta forma, eu participei com eles da venda das ideias da assim chamada esquerda alemã. Certamente, a minha contribuição é diminuta e os políticos olhariam minha posição com ironia. Mas pode-se olhar a queda do SPD e a ascensão do Nacional-socialismo apenas como um problema político? Não havia então decisões morais a se tomar? Eu as tomei tarde demais e ainda assim não fui radical o suficiente.”

Carta de Franz L. Neumann a Helge Pross, 1954.

Ler esta carta sempre me emocionou muito. O julgamento moral que você faz de si mesmo nela soa duro demais para alguém que, como eu, leu praticamente tudo o que você escreveu contra o regime de Adolf Hitler e contra alguns de seus defensores de primeira hora, como Carl Schmitt. E sabe que você era judeu. Lamento que você tenha morrido tão angustiado e incomodado com sua suposta falta de radicalismo. Mas sou capaz de entender o que deve ter sentido um jurista democrata e socialista como você diante da barbárie nazista que se seguiu à ascensão de Hitler ao poder. A covardia da esquerda, dos sindicalistas e dos intelectuais que, segundo sua carta, sabiam exatamente o que poderia acontecer com a Alemanha dali em diante, foi também a sua covardia, ao menos na sua avaliação. Afinal, você estava ao lado deles, o que custou sua deportação logo em 1933, ou seja, uma carreira, uma vida, toda uma existência.

Talvez este seja o problema de homens políticos como você, que agem em favor de suas agremiações e grupos por medo do isolamento, por medo de deixarem de fazer a política correta, como você mesmo dá a entender em sua carta. É fácil perceber que você nunca foi um pensador exclusivamente teórico, que gastava seus dias caminhando nos bosques de Berlim, refletindo sobre o Ser para dar sentido ao mundo e à humanidade. Sua vida, até o final de seus dias, foi feita de embates constantes no campo intelectual, político e burocrático, seja na condição de membro da juventude socialista, advogado trabalhista, professor universitário, membro do Instituto de Pesquisas Sociais, funcionário do governo americano (no escritório de assuntos estratégicos, servindo ao comitê de informações sobre a Alemanha) ou durante o tribunal de Nuremberg. Nada mais inadequado do que transformar seu pensamento uma filosofia abstraída do cerne mais duro do real.

Era de se esperar que alguém com o seu perfil, ainda mais em um momento de crise, altamente instável e incerto como foi a queda de República de Weimar, ficasse alinhado com suas lideranças as quais, este é o problema, terminaram por cometer erros fatais para a história de toda a humanidade. Nos seus escritos você não foi assim, isso é claro. Sua posição é tudo menos condescendente. E mesmo no que diz respeito às escolhas políticas que você fez, levando-se em conta a conjuntura que você viveu, tenho certeza de que, ainda mais na condição de voz isolada no debate político mais amplo, nada do que você pudesse ter feito seria radical demais e nada do que você pudesse ter dito seria radical o suficiente. É muito difícil, acredito, qualquer pessoa sentir-se satisfeita consigo mesma diante daquela situação. O incômodo maior, naquele momento, eu imagino, era ser alemão e fazer parte da civilização européia.

Mas seja como for, não cabe a mim questionar o julgamento que você fez sobre si mesmo. E é disso que se trata, de sua consciência mais íntima lançando um juízo severo sobre você mesmo. Ao que tudo indica, portanto,você não morreu em paz, aos 54 anos, naquele infeliz acidente de carro na Suíça. Mas será que algum de seus companheiros teve melhor sorte? Será que algum deles conseguiu perdoar a si mesmo pelo que fizeram ou deixaram de fazer? E qual será a minha sorte diante de um mundo em crise  e sem perspectivas claras de emancipação? Quais são as escolhas certas a fazer?

Seja como for, o que me resta é a tentativa de compreender qual deveria ser seu estado de espírito naquele ano de 1954, levando em conta tudo o que você escreveu e tendo em vista suas construções conceituais e suas hipóteses de pesquisa. Fazer este movimento é muito importante para mim. É importante para que eu me sinta capaz de pensar a minha posição de jurista e teórico socialista diante do meu país, o Brasil, já em pleno século XXI, em pleno surto de otimismo e desenvolvimento, marcado por uma promessa de liderança econômica e política sobre o resto do globo. Muitas de suas ideias me parecem extremamente úteis para refletir sobre os tempos atuais e sobre os problemas que temos enfrentado. Tenho procurado pensar a partir delas desde que conheci seu trabalho em meus livros e artigos.

Mas se os problemas que tenho diante de mim têm pouca semelhança com o regime nacional-socialista, assunto de praticamente todos os seus textos, a distância histórica de 50 anos entre sua morte e meu livro sobre sua obra – “Fuga do Direito” de 2009 – tem contribuído para embotar sobremaneira a visão da esquerda sobre o mundo de hoje e sobre o período que você viveu. Afinal, vivemos um tempo em que teóricos de esquerda tão relevantes quanto Giorgio Agamben, comparam a existência de fotos nas carteiras de identidade com a vigência do regime nacional-socialista; para espanto dos leitores desavisados. Vivemos um tempo, pasme você, que Carl Schmitt é visto como um autor útil  e necessário para pensar uma política de esquerda.

Diante de posições desta natureza – sobre as quais pretendo escrever em cartas futuras – que passam longe de seu esforço para reconstituir detalhadamente a política econômica, o arcabouço jurídico e as estruturas burocráticas do “não-estado de não-direito” alemão – denominado por você de Behemoth – é muito difícil ler seus textos e pensar o mundo atual sem correr o risco de dizer rematadas bobagens. Pois seus conceitos e hipóteses não podem ser pensados em apartado do imenso material empírico que você analisou em seus artigos e livros;  suas ideias não podem se prestar a uma reflexão marcada por fórmulas abstratas, construídas em separado da realidade social.

Para atualizar suas ideias e refletir com consequência sobre o mundo atual é necessário mobilizar um material empírico semelhante ao que você organizou com o objetivo de testar suas hipóteses com todo o rigor e todo o respeito devido a seu trabalho. Tentei fazer isso em meu doutorado com o objetivo de discutir, apenas e tão somente, a sua crítica à avaliação pessimista da materialização do direito feita por Max Weber. Espero ter sido bem sucedido nesta tentativa em que resolvi deixar de lado a moda atual que consiste em tomar autores clássicos como se fossem uma caixinha de frases feitas, no seu caso, descoladas do material empírico impressionante que você organizou com tanto esforço.

É claro que se pode dizer, a favor de Agamben, que depois de ler Minima Moralia, livro de Adorno que infelizmente você não teve a oportunidade de conhecer, é difícil não ficar paranoico diante da mais insignificante manifestação do poder do Estado ou da ação instrumental pura e simples, sob qualquer forma. Adorno fez uma análise tão aguda, detalhada e microscópica da degradação da experiência humana em razão do avanço do agir instrumental sobre a vida social, que depois de vencer penosamente suas páginas tão densas, mesmo uma simples foto em uma carteira de identidade ganha ares sinistros e ameaçadores.

Diante dessa sensação tão incômoda e do passado nacional-socialista, que assombra a todos nós, parece melhor pecar pelo excesso de crítica do que pela falta dela. Assim, a tendência dos leitores da Minima Moralia e da Dialética do Esclarecimento (livro escrito por Adorno em parceria com Max Horkheimer) é encontrar um nazista atrás de cada árvore e um ato de opressão em toda e qualquer tentativa de organizar a vida social. Esta já foi a minha posição em anos passados, até eu me deparar com seus escritos sobre o direito.

O problema desta forma de ver o mundo, compreensível do ponto de vista emocional e no contexto do pós-guerra, é a perda do senso crítico a respeito das características e dos limites do agir instrumental; a par da perda de interesse sobre as instituições do estado de direito. Quando Adorno escreveu o que escreveu, o clima de pessimismo tomava conta dos intelectuais e de toda a Europa; a descrença na política e no direito era profunda. Afinal, os corpos incinerados pelo III Reich ainda estavam quentes e fora de suas covas. Em um contexto de terror como este, soa natural que a visão da razão em geral ganhe ares expressionistas. Parece razoável que Adorno deforme as figuras da razão com fins críticos, ou seja,  com o objetivo de evidenciar o que há nelas de desumano e violento; para mostrar o ponto ao qual os atos mais inocentes poderiam nos levar.

Mesmo assim, é importante observar, Adorno não falava de seus temas em abstrato, descolado da empiria. Seus escritos nasceram de anos de pesquisas empíricas levadas adiante pelo Instituto de Pesquisas Sociais, algumas delas coordenadas por ele mesmo, tanto na Alemanha quanto nos Estados Unidos da América. A despeito disso, a sua crítica à razão instrumental, elaborada em colaboração estreita com Max Horkheimer, não pode levar ao resultado paradoxal de condenar para todo o sempre todo e qualquer raciocínio elaborado em função de meios e fins. Afinal, a ação humana precisa funcionar também desta forma, as sociedades precisam do agir instrumental para coordenar as ações.

Por exemplo, parece desnecessário dizer que é preciso organizar um sistema de coleta e distribuição de água, de alimentos e de energia para satisfazer as diversas necessidades dos diversos participantes do grupo social. Será necessário interagir com os demais seres humanos para ser possível realizar diversos objetivos comuns ao grupo. Ora, como realizar estas tarefas sem um pensamento de meios e fins? Como dar conta dessas necessidades sem utilizar o agir instrumental?

Por isso mesmo, o assunto da crítica não pode ser a racionalidade instrumental em si mesma. A tarefa da Teoria Crítica – imagino que você concorde comigo – é refletir sobre suas características, sua função e seus limites, pensados em cada contexto e tempo histórico. Este modo de ver as coisas, para mim, ficou muito claro em suas análises do estado e do direito e é esta postura que começou a me fascinar conforme eu fui avançando na leitura de seus escritos.

É impressionante, ao mesmo tempo trágica, como mostra sua carta, sua capacidade de pensar friamente as contradições do direito contra quase todo o pensamento de esquerda da época (com exceção de Karl Renner), mesmo em 1936, ano em que você termina de escrever seu O Império do Direito e durante a ascensão e auge nacional- socialista, momento em que você publica Behemoth, de 1942. A sua crítica ao direito burguês nunca perdeu de vista suas contradições internas, nunca deixou de relacionar estruturas jurídicas e conflitos sociais, nunca se entregou a uma visão simplificadora e unilateral das instituições formais.

Você manteve sempre claro o objetivo de pensar as possibilidades de emancipação em cada momento histórico, sem simplificar em uma linha sua análise de seu tempo e sem poupar esforços para demonstrar suas teses com um material empírico dos mais difíceis de lidar. Por isso mesmo, meu caro Neumann, você nunca transformou nenhum autor em manual ou em bíblia, tecendo críticas muito contundentes a Karl Marx, Max Weber, Hans Kelsen e Carl Schmitt, entre outros. Espero ter oportunidade de falar sobre esses assuntos em outras cartas, mas o que eu gostaria de dizer a final, pois sua paciência comigo já foi demasiada por hoje, é que um de meus objetivos centrais neste meu começo de vida intelectual é emular de perto sua postura. Quero ser capaz, como você, de manter o sangue frio e a clareza (possível) diante da realidade, sempre contraditória e complexa, do direito liberal.

Meus textos e livros têm procurado explorar as contradições de minha realidade institucional, mesmo quando eu me vejo assumindo um ponto de vista isolado e minoritário na esquerda de meu país. Minha tentativa tem sido evitar o erro do radicalismo exagerado, mas, além disso, quero ter mais sorte do que você na avaliação política que eu fizer de minha conjuntura, especialmente se eu tiver que enfrentar uma situação extrema e dramática como a que você viveu. Neste caso, eu não pretendo seguir Agamben, correndo o risco de acusar todos os atendentes, responsáveis por confeccionar as carteiras de identidade, de cúmplices da opressão.

Mas também não pretendo compactuar, nem em pensamento, nem por razões táticas, com nenhuma força de esquerda na sua eventual tentativa de passar por cima de democracia e do estado de direito em nome de seus projetos, por melhores que eles possam parecer. Pois você nos ensinou, também a história próxima do ocidente, onde isso pode dar. Já sabemos qual pode ser o desfecho da criação de um poder sem o controle do direito em uma sociedade complexa como a nossa.

Marx não sabia disso, ele não conheceu nada parecido com o nacional-socialismo: os seus escritos, meu caro Neumann, nos fazem perceber de saída as dificuldades de se pensar nos termos de uma “ditadura do proletariado”. Por isso tomo como minha a tarefa de pensar o direito a partir, mas para além de Marx, sem manter com a tradição socialista uma posição de subordinação ou reverência excessiva.

Aproveito a oportunidade, por hora, para agradecer a você pelos vários anos de reflexão crítica sobre o direito que seus escritos têm me proporcionado. E para saudar esta sua maneira diferente de ser socialista, tão fria e reflexiva, tão resistente a abrir mão do direito e de sua proteção, ao mesmo tempo tão nova e insubordinada ao pensamento de seu tempo. Sobre seu amor pelo direito (e sobre o meu amor), há muito mais o que dizer. E sempre haverá.

Do seu pior aluno, através das eras.

Como se diz no Brasil, com o abraço forte do

José Rodrigo.

Poema em partes

In Poemas para mim mesmo on 04/06/2012 at 1:17

São duas ou são três
as mesmas partes de mim
que a vista ainda alcança

tudo o que resta, no fundo,
espreita, agita e morde.

Uma palavra tão fácil
que mais nada nem ninguém
possa rasgar, comer, sentir
na carne fraca.

Seu medo me contém,
na minha força.

No tempo da sua fala
a minha boca.

Tudo mudou

In Poemas para mim mesmo on 02/06/2012 at 13:50

Faz muito tempo que a luz
dia aquece ou esfria as pedras
pregadas na beira de prata da praia

faz muito tempo que o vento
dia esfria ou aquece ou assusta
o minério de ferro da cabeça.

Mas ela sempre se esquece,
mas ela sempre
vestida em sua
túnica de
sombra ou
oculta em
um não sei
que ou como
dizer que
tudo mudou.

Como o vento
que sopra no rosto
parecendo carinho,
mas que arranha e
que risca e que
agita e desgasta
a superfície
da pele
erodindo
o cerne
e depois

acabou.