José Rodrigo Rodriguez

Quando eu sair daqui

In Poemas para mim mesmo on 07/05/2012 at 15:21

Por saber demais eu desprezo
o valor de tudo o que ignoro

uma viajante
uma jovem
um parvo
um cão

só pergunte a quem saberia
exatamente como não dizer

ou como fazer preciso
deste saber tão pouco
o silêncio necessário
para este deslocamento.

Quem fala está no livro
ou naquilo que o engole por dentro?

Quando eu sair daqui,
a queima da biblioteca
ou seu abandono aos ratos
este presente de grego,
a civilização, a ciência

quando eu sair daqui
ouvir
neste vazio que se instaura
o evadir-se e voltar-se
pra fora
na face da fala.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: