José Rodrigo Rodriguez

Um bilhetinho para Descartes

In Poemas para mim mesmo on 27/06/2011 at 1:22

Dividir a língua
em dois
para falar
consigo mesmo
como se fosse um
estrangeiro,
na mesma língua e
na mesma idéia de
país, dois idiomas
que traduzissem um
e outro, a mesma
linha do tempo,
sem dar um salto,
sem precisar da
memória para
dizer o que
se pensa, em
especial,
o que se
ama e se
move sem
reflexão,
nessa lín
gua par
tida, seu
lote no
condomí
nio lá
dentro
da alma:

“Eu penso,
eu sou”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: