José Rodrigo Rodriguez

O mapa

In Poemas para mim mesmo on 22/11/2010 at 0:42

Um lugar dentro da casa
no fundo de uma gaveta
atrás de algum armário
fechada em alguma caixa
no porão, no sótão, um baú
um bolso, um saco de pano
embrulhada em papel pardo
ou dentro de um envelope
colado com goma arábica
com certeza deve estar
a última mensagem do morto
verdade a ser encontrada
que eu não posso decifrar
olhando para cada ponto
e vasculhando cada linha
de tudo que está à vista.

E eu não posso desistir
lá dentro de cada armário
em cada muda de roupa
ou dentro de cada dente
na sola de cada bota
e dentro de toda parte
mesmo dentro da palavra
riscada de todo avesso
no canto de todo medo
e superfície sem fresta
na boca de cada réstia
lembrança de cada louça
embaixo de cada coisa
o vento da mesma pressa
o quanto ainda me resta
sem tempo de descansar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: