José Rodrigo Rodriguez

PARA QUE O AMOR NÃO RUA

In Poemas para mim mesmo, Poesia, Uncategorized on 06/08/2018 at 3:28

image1stscihp1736af3850x51001

 

Histórias de pessoas

que me falharam demais

quando não deveriam,

histórias que eu não consigo

contar

sem a forma alusiva

da poesia,

sem a metáfora que preserva

da clareza da prosa

a lógica de ações

que me doem

até a polpa dos ossos.

 

A poesia me poupa

do julgamento possível,

do julgamento necessário,

até a polpa dos ossos,

as causas e os efeitos,

as perguntas e as respostas,

os diálogos e os dias,

de lumiar claridade.

 

Eu tenho medo de contar

fora do meu esconderijo,

eu tenho medo de dizer

com a clareza da prosa,

sobre aquilo que me rasga,

até a polpa dos ossos,

sobre aquilo que me dói,

com a clareza de um dia.

 

Eu tenho medo de

deixar de amar sem

eu tenho medo de

não ser capaz nem

nada ou o meu grito

esvaziado por dentro

com

uma garra que extirpasse

as minhas cordas vocais:

um gesto necessário ou

essa metáfora que

ou

me emudece e

socava

a parte dura do osso,

mas sem deixar de mostrar.

 

A poesia é necessária para que

o amor

não rua.

Anúncios

Domingo maior

In Poemas para mim mesmo, Uncategorized on 18/01/2015 at 23:33

Meu silêncio

eu levo no peito,

coração negro,

como um homem de ferro

que roubasse a luz

ao invés de incandescer,

uma história por escrever

para adultos e crianças.

A maçã

In Poemas para mim mesmo on 14/12/2014 at 1:48

“Eu preciso aprender a só ser.”

Gilberto Gil

 “Boa tarde!” disse Pablo

o meu cachorro

para sua eterna tristeza.

 

“Eu sei o que te espera”,

pensei comigo,

depois dessa mágica

que não espantaria

a mais ninguém.

 

Conversamos sobre bifes,

e sobre o conceito de churrascaria.

Curioso e animado, Pablo sorriu.

 

Mas agora ele sabe que é um cão.

 

Não me ocorreu dirigir-lhe

pergunta alguma,

encerrei a conversa

rapidamente

e fui dormir.

 

Quem mais haveria comido

a maçã?

 

Olhei para o meu gato de esguelha,

que ainda,

como gato,

virou de costas

e sumiu

em seu saboroso

silêncio

sem sentido.